lucro médio de uma farmácia
16/03/2018

Qual o lucro médio de uma farmácia?

Como saber o lucro médio de uma farmácia e trabalhar para ampliar essa quantia nos próximos meses? Confira abaixo:

O QUE É O LUCRO LÍQUIDO?

Para falar de lucro médio em uma drogaria, primeiro é preciso entender que o lucro operacional e o lucro líquido são dois números diferentes. O lucro não-operacional também tem motivado o aumento na receita das farmácias, e logo vamos entender o porquê.

O lucro operacional provém da principal atividade do negócio, que é a venda de medicamentos e afins. No entanto, há o lucro não-operacional, que não provém da compra e venda de produtos. Por exemplo, recarga de celular e prestação de serviços.

 

ENTÃO, COMO CALCULAR O LUCRO LÍQUIDO?

Assim, vemos que o lucro líquido é o lucro final. Para chegar até ele, é preciso somar o operacional com o não-operacional. Assim, feito o desconto das despesas correspondentes a cada uma dessas etapas, o resultado final é o lucro líquido. E o que importa é que esse número seja alto. E qual o segredo para elevar esse número?

 

O CRESCIMENTO DO LUCRO MÉDIO DAS FARMÁCIAS

Existe um fator relevante no aumento da receita – ou seja, do lucro médio – das farmácias nos últimos anos: a venda de cosméticos e produtos relacionados à higiene.

Essa tendência está relacionada à ascensão da drogaria como um shopping onde se pode encontrar outras mercadorias e “fazer compras”. Isso tem representado uma boa parte da receita tanto de drogarias pequenas como das grandes redes. Segundo dados da Abrafarma, esses produtos já representam em torno de 35% do faturamento nas farmácias pesquisadas.

Para isso, muitas farmácias dispõem de um amplo catálogo de produtos e de profissionais capacitados para orientar os clientes em suas dúvidas dentro do estabelecimento. Outra maneira de implementar a venda de produtos adicionais tem sido o cadastro dos clientes para receber ofertas semanais, tal qual já existe nas redes de supermercado.

Essa tendência aponta para uma nova forma de estruturar as compras e o orçamento da farmácia, tendo outros pilares possíveis para o lucro líquido. Os medicamentos passaram a ser combinados com esses produtos que antes eram comprados em supermercados. Esse comportamento atual de consumo nas farmácias demanda novos serviços que devem ser incorporados às despesas da farmácia para direcionar o cliente ao consumo nesse novo modelo de estabelecimento.

De acordo com a IMS Health, tudo indica que muito em breve o Brasil será o quarto mercado de varejo farmacêutico do planeta. As vendas do setor aumentaram ainda mais com a ascensão da classe D e E, possibilitando um maior ticket na hora de “ir às compras” em uma farmácia.

 

LUCRO MÉDIO DAS FARMÁCIAS EM NÚMEROS NO BRASIL

Segundo a Abrafarma, o faturamento bruto das farmácias no ano de 2017 foi de 44,4 bilhões de reais. Esse número cresceu 9% em relação ao ano de 2016. As vendas de medicamentos chegaram a 30,23 bilhões de reais e também teve um aumento similar comparado ao ano anterior.

Em relação aos medicamentos genéricos, também houve um aumento de 6,5% nas vendas, totalizando 5,25 bilhões de reais. Os produtos cosméticos e de higiene totalizaram 14,17 bilhões na renda das farmácias em 2017.

A quantidade de farmácias também teve um aumento de 7% se comparada a 2016. O número de lojas físicas passou de 6763 para 7240. Isso representa na prática o quanto o setor tem crescido e o quanto o lucro médio tem atraído os novos empresários.

Sergio Mena Barreto, presidente executivo da Abrafarma, aposta na possibilidade de crescimento de consumo por famílias e pelos produtos de bem-estar.

 

A IMPORTÂNCIA DA CONCILIAÇÃO BANCÁRIA NO LUCRO MÉDIO DE UMA FARMÁCIA

Uma das melhores maneiras de ter um resultado seguro no lucro médio de uma farmácia é a conciliação bancária, uma ferramenta de controle interno para o fluxo de caixa. No entanto, nem sempre essa ferramenta é valorizada pelos empresários, mesmo sendo a melhor maneira de ter um maior controle financeiro do estabelecimento.

A conciliação bancária controla saídas e entradas de recurso da farmácia, e para o uso dos cartões e dos cheques ela é fundamental para garantir que o lucro efetivo do mês seja contabilizado a partir dos recebimentos. Além de evitar as fraudes e os erros de contagem, ela permite que a verba disponível para despesas seja calculada com exatidão.

Em um novo panorama no qual o lucro líquido das farmácias é complexo e provém de vários produtos diferentes, a conciliação bancária é fundamental para manter a saúde financeira da farmácia e saber onde é possível investir para expandir o negócio.

 

COMO CALCULAR O LUCRO MÉDIO DE UMA FARMÁCIA?

Embora as expectativas para o setor sejam otimistas, muitos empresários do ramo acabam tendo que fechar as portas por não saberem exatamente como calcular o lucro médio do seu negócio. Como vimos, o lucro médio não é calculado apenas tendo como base a receita e a despesa. Por isso, vamos entender o passo-a-passo de como esse lucro é calculado.

A contabilidade para farmácias é um investimento necessário para que os cálculos sejam feitos como é preciso. Além do mais, o profissional do ramo é a melhor pessoa para informar qual o lucro médio que deve ser embutido no preço de cada produto mediante os impostos que devem ser descontados. Uma das grandes falhas é não basear o preço final contabilizando o imposto correto referente ao produto.

Para isso, primeiro deve-se ter em conta os custos variáveis e os custos fixos para estabelecer um preço final para o produto. As despesas fixas são aquelas que não variam mês a mês: internet, luz, salários dos funcionários, aluguel, telefone, etc. Ao ter o número final das despesas fixas, elas serão divididas pelo número de produtos e será estabelecido um percentual que contará para o produto final.

As despesas variáveis tem flutuações. Pode-se contar como variável desde o gasto com a embalagem do produto até taxas de cartão e outras despesas não-previstas no orçamento. Para isso, cada uma das variáveis previsíveis devem ser computadas com um percentual médio e deve haver um orçamento folgado para cobrir aquelas que não são previstas sem prejudicar o fluxo de caixa do mês.

 

MARGEM DE LUCRO E LUCRO MÉDIO: QUAL A DIFERENÇA?

É importante não confundir a margem de lucro (ML) com o lucro médio. O lucro médio é o que sobra das vendas, enquanto a margem de lucro é calculada de forma individual para cada produto. Para isso, o mark-up é uma ferramenta utilizada pela contabilidade.

O cálculo do mark-up em cima do produto também é uma fórmula simples para manter o lucro médio saudável da sua farmácia. Para isso, basta ter em mãos os índices de despesas fixas, despesas variáveis e a margem de lucro desejável para o produto. Com isso, a fórmula é 100 – (DF + DV + ML), no qual 100 representa o mark-up. Depois, basta multiplicar esse número pelo custo do produto. O custo do produto (CP) representa o valor de compra do produto e não conta com tributos, despesas ou descontos. É esse o número inicial a partir do qual todos os outros valores serão acrescidos.

O custo do produto em relação ao preço final varia de acordo com a opção tributária feita pela farmácia. Essa opção deve ser feita de preferência por um profissional de contabilidade especializado no ramo. Caso a farmácia se encaixe no Simples ela não pode ter nenhum tipo de crédito tributário. No lucro real, é possível descontar o valor do crédito tributário do ICMS correspondente à 18%, do COFINS correspondente a 7,6% e do PIS que corresponde a 1,65% sobre o preço do produto. No lucro presumido, pode-se retirar o valor do ICMS. Portanto, esses percentuais devem ser previstos pela contabilidade. Ainda, o preço de tabela deve incluir as possibilidades de desconto e eventuais comissões aos funcionários, além de contar com possíveis danos de mercadorias e extravios.

Por fim, é importante lembrar que uma pesquisa de mercado garante que o preço final esteja equiparado com o preço oferecido pela concorrência. Afinal, não vale a pena estabelecer cálculos corretos se o preço final é muito maior do que em outras farmácias. Ainda assim, há várias opções de diferenciação do serviço que podem ser adotadas por farmácias menores para driblar o preço menor oferecido pelas grandes redes, como a entrega a domicílio, campanhas de fidelização, atendimento diferenciado e descontos especiais em determinados dias.

 

COMO MANTER EM ALTA O LUCRO MÉDIO DA MINHA FARMÁCIA?

Diante de todas essas informações, vemos que há muitos fatores envolvidos no cálculo do lucro médio de uma farmácia. É preciso levar em consideração um bom planejamento orçamentário, uma escolha tributária coerente, um balanço mensal fidedigno, uma conciliação bancária que permita prever com exatidão a margem possível para as despesas e investimentos e um cálculo de preço compatível com os gastos e com a pesquisa da concorrência. Diante de tantos fatores, como manter em alta o lucro médio?

Para manter o planejamento e o orçamento em dia, a melhor opção é investir em uma contabilidade especializada no setor de farmácias que possa estar ao seu lado mês a mês para orçar as saídas e entradas com exatidão, prever lucros e ajudar a expandir os negócios a partir de uma visão realista do faturamento.

Por isso, se você deseja ver o seu negócio expandir e o seu lucro médio aumentar com segurança e planejamento, esteja atento aos fatores elencados acima.

 

ANALISE SUA FARMÁCIA GRATUITAMENTE

Quer analisar a sua farmácia de maneira rápida e gratuita, para entender o que pode ser melhorado para elevar o lucro médio e aprimorar outros processos dentro da loja? Acesse gratuitamente o ANALISEI FARMÁCIAS  e obtenha, em tempo real, resultados que vão mostrar o que você deve fazer para tornar o seu estabelecimento mais competitivo, rentável e duradouro.